Your address will show here +12 34 56 78
Dicas Canadá
A demanda por cursos de intercâmbio está cada vez maior: Segundo uma pesquisa feita pela pela Belta (Associação Brasileira Especializada em Educação Internacional), houve um aumento de 20.86% de estudantes internacionais entre os anos de 2017 e 2019. Seja para aprimorar o inglês e o currículo com uma experiência internacional ou para imigrar para um outro país, um intercâmbio é uma ótima maneira de atingir seus objetivos.

A imersão com a comunidade local de um novo país fornece não só uma vivência cultural única, mas também é uma ótima chance de aprimorar e até mesmo dominar uma segunda língua, praticando com nativos. Com Universidades que estão entre as melhores do mundo e um povo que é conhecido por ser acolhedor, não é surpresa que o Canadá está entre os lugares mais procurados por brasileiros para intercâmbio, e o país pode ser o destino certo para você. 

O domínio de uma segunda língua, em particular o inglês, já se tornou algo praticamente indispensável no currículo do Brasileiro. Inclusive, segundo uma pesquisa realizada pela Hays Recruiting Experts Worldwide, líder mundial em recrutamento e seleção, 91% das empresas brasileiras exigem algum nível de inglês de seus funcionários.

Além disso, se seu objetivo é fazer algum curso de nível superior em uma instituição internacional, é bastante provável que você precise provar o seu nível de idioma a fim de ser aceito.

Mas como provar seu nível de inglês? Juntamos abaixo os testes mais reconhecidos – tanto no Brasil quanto pelas Universidades Internacionais. Mas antes, algumas considerações:

É importante notar que com exceção do CAE (Cambridge), os exames de proficiência em si não possuem uma nota mínima de aprovação. Cada universidade determinará o próprio requisito de aprovação – por isso, é importante checar as exigências da instituição de sua escolha.

Nenhuma prova é necessariamente fácil ou difícil – cada uma possui um estilo diferente, e será o aluno que vai decidir qual a prova ideal para seu perfil. Independente da escolha, além do conhecimento da língua, é importante se familiarizar com a estrutura da prova, principalmente nas seções de escrita: procure fazer simulados e acessar respostas-modelo.

TOEFL




O exame TOEFL talvez seja o mais conhecido entre os brasileiros. Disponível em mais de 50 datas durante o ano e aplicada em diversas localidades do mundo, a prova é administrada pela Educational Testing Service (ETS), sendo aceita pela maioria das universidades do Canadá e da América do Norte em geral. 

O conteúdo abordado no TOEFL, por ser um teste voltado ao ambiente acadêmico, costuma estar vinculado à vida universitária em geral, que incluem desde conversas entre alunos sobre algum problema da escola, à palestras e aulas dos mais diversos temas. Embora a prova fuja de palavras e linguajar técnico, não chega a ser o inglês que alguém usaria no dia-a-dia – por isso, é importante ter uma preparação adequada.

O TOEFL é feito inteiramente de maneira eletrônica. No centro de aplicação da prova, cada candidato será designada à um computador individual.

Com duração de 4 horas e 30 minutos, o teste é dividido em 4 partes, valendo 30 pontos cada: Reading, Listening, Speaking e Writing.

Reading

30 a 40 perguntas
De 54 a 72 minutos

Na sessão reading do TOEFL, o candidato deverá ler e analisar 3 ou 4 pequenos textos acadêmicos. O candidato não precisa ter entendimento do assunto em questão para responder as perguntas – o vocabulário é sempre contextualizado e claro. 

Como o texto fica disponível na tela junto com as perguntas, a dica é ler primeiro a questão e depois procurar pela resposta na passagem – assim, economizando um tempo precioso!

Listening

5 a 7 gravações 
28 a 39 perguntas
41 – 57 minutos

Com linguagem e sotaque predominantemente americanos, o listening do TOEFL, tem de 3 ou 4 gravações que, assim como o restante da prova, abordam o ambiente universitário, incluindo conversas entre alunos até palestras e aulas. Diferentemente da seção reading, você não terá acesso aos áudios durante as questões  e poderá ouví-los apenas uma vez. Por isso, a dica aqui é diferente! Preste atenção nas gravações e, se possível, faça anotações pessoais.

Speaking

4 tarefas
17 minutos

Como já dissemos, o TOEFL é realizado inteiramente no computador, e isso inclui a seção speaking – as respostas serão gravadas através de um headset para serem corrigidas posteriormente pelos avaliadores. 

Essa parte consiste em 1 tarefa independente e 3 tarefas integradas. A tarefa independente consiste em uma opinião pessoal em relação a algum problema – podendo ser pessoal, social, entre outros. Após a apresentação do tema, o candidato terá 15 segundos para se preparar e 45 segundos para responder.

Já as tarefas integradas envolvem ler um texto, ouvir uma gravação, e depois responder uma questão comparativa entre as duas passagens.

Para tais tarefas, o candidato tem 30 segundos para se preparar e 60 segundos para responder.

Writing

2 tarefas
50 minutos

A primeira tarefa da seção writing do TOEFL consiste em ler uma passagem, escutar um áudio, e depois responder uma questão que compara os dois. Já a segunda tarefa é de cunho pessoal – uma opinião ou preferência sobre um problema ou situação apresentada – novamente, podendo ser de assuntos variados. O importante aqui é escrever um texto claro, eficiente e objetivo, apresentando o seu ponto de vista sem devaneios e com uma boa argumentação. Não utilize gírias ou expressões muito informais – a prova não exige um vocabulário avançado, mas lembre-se do contexto acadêmico que está inserido!

IELTS




Administrado pelo British Council, o teste IELTS possui duas versões: Academic e General – a estrutura das duas é a mesma: O Academic, assim como o TOEFL, é aceito na maioria das universidades dos países de língua inglesa – inclusive o Canadá. Já a versão General é voltada para fins de imigração. Porém, diferentemente do TOEFL, o IELTS apresenta diferentes tipos de sotaque, como australiano e britânico.

O IELTS, como o TOEFL, também é dividido em 4 seções: Listening, Reading, Writing e Speaking. Dependendo da localidade, o teste pode ser realizado de forma digital no computador, ou de forma tradicional, com papel e caneta. Porém, independente da escolha, a seção speaking é feita com um entrevistador, normalmente em uma data diferente do restante do exame.

A prova completa leva em torno de 2 horas e 45 minutos, e cada seção é pontuada com uma nota de 0 a 9. A pontuação final é a média dessas notas.

Reading

40 questões
60 minutos

A seção reading do IELTS exige não apenas vocabulário e interpretação de texto, mas também gramática – a prova é considerada bem exigente nesse ponto. O candidato, assim como no TOEFL, ainda terá acesso ao texto durante as perguntas, por isso a dica é a mesma: ler as questões antes, e só depois o texto. Outro conselho importante é: pratique! Leia conteúdos em inglês, veja filmes e séries com legenda em inglês, etc – quanto mais, melhor!

Listening

4 seções
30 minutos

O candidato analisará 4 gravações de diversos temas e situações, desde conversas do cotidiano entre um grupo de amigos à palestras universitárias.

As perguntas irão testar a habilidade do candidato de entender tanto o conceito principal do tema apresentado quanto informações detalhadas das conversas e aulas.

Writing

2 tarefas
60 minutos

Academic:

Na primeira tarefa, um gráfico ou uma tabela é apresentado e o candidato deve descrever e explicar as informações neles contidos com suas próprias palavras, de forma clara e objetiva.

Já a segunda tarefa, assim como a prova do TOEFL, envolve a opinião pessoal sobre um assunto ou problema apresentado. A diferença aqui é a linguagem da prova: O IELTS exige um tom um pouco mais formal do que o TOEFL.

General:

Na primeira tarefa, a prova expõe um problema e o candidato deverá escrever uma carta explicando ou comentando tal situação. O tom da linguagem aqui vai depender do tema da tarefa, podendo ser pessoal ou formal.

A segunda tarefa envolverá um ponto de vista do candidato frente à uma discussão ou complicação. Aqui, a linguagem pode ser um pouco mais pessoal do que a primeira tarefa.

Speaking

3 partes
11 a 14 minutos.

A seção speaking do IELTS, ao contrário do TOEFL, é feita através de uma conversa com um entrevistador, e é dividida em 3 partes. Primeiramente, o candidato responde perguntas em relação a temas familiares, como família, trabalho e interesses. Depois, um determinado tópico é apresentado, e após de uma preparação de 1 minuto, o candidato pode expor sua opinião por 2 minutos. Por último, o aluno responderá às perguntas do entrevistador, feitas sobre o tema apresentado anteriormente.

CAMBRIDGE




O teste de proficiência de Cambridge, o CAE, pode ser um pouco menos conhecido, se comparado a exames como TOEFL ou IELTS, mas nem por isso é menos valorizado pelas instituições canadenses, sendo aceito nas principais escolas como University of British Columbia e University of Toronto.

A estrutura do exame de Cambridge é semelhante à das anteriores, divididas em 4 seções, com cerca de 4 horas de duração no total.

A pontuação vai de 160 a 210, mas apenas aqueles que conseguirem uma nota maior do que 180 recebem certificado. De 180 a 200, é considerado nível C1, e acima de 200, nível C2.

Leitura, Gramática e Vocabulário.

8 partes
56 questões
90 minutos

O candidato deverá ler e responder questões pontuais sobre diversas passagens apresentadas, que compreendem desde trechos de livros à colunas de revistas dos mais diversos temas. Já as questões variam entre os formatos de múltipla escolha, correspondência ou preenchimento de lacunas.

Escrita

2 tarefas
90 minutos

A primeira tarefa do exame CAE, assim como no TOEFL e IELTS, envolve uma dissertação de cunho pessoal, onde o candidato irá expor sua opinião sobre um determinado tópico. Já a segunda tarefa varia bastante, podendo ser formatos como cartas, propostas, e-mails ou até críticas.

Compreensão

4 partes
30 questões
40 minutos

O candidato deverá ouvir e responder questões sobre gravações de diversos formatos, como trechos de rádio, entrevistas, apresentações e conversas do dia-a-dia. Diferentemente dos demais exames de proficiência, em que o áudio está disponível apenas uma única vez, no CAE, cada gravação é repetida duas vezes,

Expressão oral

4 partes
15 minutos.

Assim como o IELTS, o CAE é feito junto com um avaliador. Essa prova se difere na estrutura: enquanto as duas primeiras tarefas são feitas de maneira individual, as duas demais são feitas em dupla com outro candidato. 

PTE



O PTE, administrado pela Pearson PLC Group, talvez seja o menos conhecido da lista, mas também é uma ótima opção para quem quer comprovar a proficiência no inglês e fazer um intercâmbio para o Canadá. A prova vem se tornando cada vez mais popular, e é aceita por diversas universidades e instituições canadenses. Vale verificar se a instituição de ensino aceita esse teste, ok?

A prova dura entre 2 horas e 30 minutos à 3 horas, e a principal diferença do PTE para os demais testes é a estrutura: enquanto o IELTS, TOEFL e CAE possuem uma divisão clara em suas sessões, o PTE, por sua vez, é considerada uma prova altamente integrada, ou seja, as questões de listening podem estar ligadas às de speaking, por exemplo. 

Mesmo assim, ainda é possível se preparar de maneira objetiva para o teste, estudando o formato geral do exame.

O reading normalmente envolve cerca de 20 a 25 perguntas, em que o candidato deverá responder questões de múltipla escolha, preencher lacunas e reorganizar parágrafos dos textos e passagens apresentados.

Já no listening, após ouvir algumas gravações, o aluna responde questões que podem variar em formatos, como múltipla escolha, resumo das ideias principais da gravação, assim como preenchimento de lacunas.

Por último, as sessões speaking & writing podem solicitar ao candidato que resuma uma palestra, descreva uma imagem, leia um trecho em voz alta ou até que se apresente.

—-
Sendo qual for sua decisão da prova ideal para você, a Canucks oferece diversos tipos de cursos de inglês para garantir a sua melhor nota! Entre em contato conosco agora mesmo para garantir o seu lugar na universidade e na carreira dos sonhos.
0

Dicas Canadá
Esqueça aquela história de “estou velho demais para isso” – nunca é tarde para aprender algo novo e ter experiências incríveis, inclusive aquele intercâmbio para o Canadá que você sempre sonhou.

A busca por intercâmbio na terceira idade tem sido cada vez maior nos últimos anos: Conforme a Brazilian Educational & Travel Association (Belta), o número de intercambistas com mais de 50 anos aumenta cerca de 20% ao ano, e o Canadá está no topo da lista de destinos de intercâmbio.

Motivos não faltam: Conhecer novos lugares, aprimorar o inglês, conviver e aprender com os mais jovens, ou simplesmente viver uma sonhada experiência internacional.

Pela crescente demanda, pacotes personalizados de intercâmbio para a terceira idade têm sido cada vez mais comuns. Com a Canucks, pode ter certeza que estará em boas mãos!


Escolhendo o seu curso. 

Estudando na terceira idade

A maioria dos intercambistas de terceira idade preferem programas de curta duração, entre 1 e 3 meses – mas se você pretende ficar mais tempo do que isso, não se preocupe! Só é necessário atenção na questão do visto: Se seu curso for de até 24 semanas, não será preciso um visto de estudante – um eTA ou visto de turista são suficientes. Agora, se o período do curso for maior do que 24 semanas, você deve aplicar para um visto de estudante. O processo é um pouco diferente, mas a gente está aqui para te ajudar em todas as etapas!

Mas como é um curso de inglês para quem tem mais de 50 anos?

Não fique nervoso – não importa a idade, todos ali estão aprendendo! As aulas são dinâmicas e específicas para intercambistas tentando aprender uma nova língua. E a maioria das turmas nas escolas de inglês são pequenas, com 10 a 15 alunos, assim, você tem uma ótima chance de socialização e interação.

E mais: A maioria das escolas que oferecem cursos de inglês também incluem em sua programação atividades em grupo e passeios aos principais pontos turísticos da sua região de escolha, como parques, museus, e centro históricos.




Cuidados na preparação de viagem


Cuidados ao viajar

Já falamos, e repetimos: Você não está velho demais para nada! Contudo, é preciso ter alguns cuidados especiais ao planejar o seu intercâmbio no Canadá. 

Deixe sua carteira de vacinação em dia.
Garanta um seguro viagem de qualidade – fique atento à cobertura!
Se você faz uso de algum remédio de forma contínua, leve com você a quantidade suficiente para o período de seu intercâmbio no Canadá, assim como a receita em inglês. E leve a receita em sua mala de mão, já que para entrar em determinados países é necessário apresentá-la.

 


No avião:

Use roupas confortáveis.
Movimente-se! A Organização Mundial de Saúde recomenda que passageiros em vôos com mais de 4 horas de duração procurem alongar-se de tempos em tempos e mantenham-se hidratados para diminuir os riscos de trombose, principalmente nas pernas.


Chegando na Cidade:

Se familiarize com a infraestrutura do local em que vai morar e estudar, como a facilidade de locomoção, transporte público, amenidades da região.
Cuidado na hora de experimentar: Testar coisas novas, especialmente a culinária, é uma ótima maneira de entrar no clima canadense, mas tenha atenção para não exagerar em alimentos que são muito diferentes à sua dieta habitual.


Moradia

Morando no Canadá
Ao fazer um intercâmbio para o Canadá, você tem algumas opções de moradia: Homestay, casa estudantil, ou alugar um lugar por conta.


Homestay

Homestay, ou casa de família, é exatamente o que o nome diz. Você terá um quarto – privado ou não – na residência de uma família, que pode ser nativa canadense ou imigrante. Quem faz a colocação de homestay ideal para cada aluno, normalmente é a própria agência de intercâmbio ou a escola que irá estudar. 


Vantagens

Geralmente os pacotes com a homestay incluem de 2 a 3 refeições por dia.
Viver com residentes do país auxilia o aluno a se inserir na cultura canadense.
É uma ótima maneira de praticar o inglês.

Desvantagens
Se você é uma pessoa que preza muito pela privacidade, talvez morar com pessoas (inicialmente) desconhecidas pode ser um desafio.
Você que terá que se adaptar aos costumes e manias da família, e não o contrário. 


Ter o próprio espaço.

Você tem toda a liberdade de alugar um lugar só para você – shorts terms, como airbnb’s, se o seu curso foi curto, ou até um apartamento ou casa se for ficar mais tempo no Canadá.


Vantagens

Privacidade
Liberdade


Desvantagens

Maior custo, principalmente nas grandes cidades como Toronto e Vancouver.
Normalmente, os contratos têm duração mínima de 1 ano.


Residência Estudantil

Moradia oferecida normalmente pela própria escola ou agência. Costumam ser casas inteiras que possuem quartos compartilhados entre alunos.

Vantagens
Convivência com demais estudantes.
Menor custo.
Normalmente são localizadas próximo da escola.

Desvantagens
Falta de privacidade.
Você não escolhe seus colegas de quarto.
Não tem alimentação inclusa.


A experiência

Na sala de aula, é hora de ensinar e aprender. Você encontrará pessoas de diversas idades e culturas – procure estender a socialização para além da sala de aula! Também é importante viver a experiência canadense: saia da sua zona de conforto, visite restaurantes, teatros e atrações locais e converse com os nativos! Os canadenses são conhecidos por serem muito receptivos e educados, então aproveite!

Se você está pronto para embarcar nessa experiência, entre em contato com a Canucks – garantimos o melhor planejamento de intercâmbio para você! 
0

Dicas Canadá
O número de brasileiros que foram fazer um intercâmbio no exterior em 2019, se comparado a 2017, cresceu de 302 mil para 365 mil – um aumento equivalente a 20.86%, segundo uma pesquisa feita pela Belta (Associação Brasileira Especializada em Educação Internacional). E o Canadá lidera a lista de destinos mais procurados por brasileiros há mais de 14 anos.

Destino Intercambio Brasileiros

Mas a pergunta que não quer calar: Por que? A liderança não é por acaso – os principais atrativos para a escolha dos brasileiros de fazer intercâmbio no Canadá, segundo os estudantes e agências consultadas na pesquisa, são os custos mais acessíveis (ainda mais se compararmos a cotação do dólar canadense com o dólar americano), a reputação de segurança, tolerância, receptividade calorosa e valores canadenses, e o renome do sistema de educação no Canadá, provenientes dos pesados investimentos no setor.

Se ainda quer ser mais específico, as principais cidades selecionadas para fazer intercâmbio são Toronto, Vancouver e Calgary – cada um por suas razões:

Toronto

Toronto

Toronto é a cidade mais populosa do Canadá – com mais de 5 milhões de habitantes – e tem um grande potencial quando o assunto é tecnologia, sendo um grande hub tecnológico mundial, reconhecido por sua economia crescente e vastas oportunidades de trabalho.


Vancouver


Vancouver

Se você gosta do outdoor, Vancouver é o lugar para você. São praias, ilhas, parques, trilhas e atrações de deixar qualquer um de boca aberta!

Além disso, engana-se quem acha que a indústria cinematográfica se concentra em Hollywood. Obras como O Homem de Aço, X-Men, Percy Jackson, 50 Tons de Cinza, Planeta dos Macacos, Godzilla, entre outros, foram filmadas em Vancouver.

A cidade também é atrativa pelos seus programas transformadores nas áreas de sustentabilidade ambiental, acessibilidade e inclusão.

Calgary


Calgary

Quando se pensa em Canadá, a maioria se foca nas duas cidades citadas acima – mas Calgary, além de ser uma das cidades mais populosas do país, com 1.2 milhões de habitantes, também é sede das principais empresas petrolíferas – sendo um centro financeiro e comercial.

É uma ótima opção para os brasileiros que querem aprender inglês no Canadá e ter uma experiência imersiva, mas ainda assim evitar a loucura das grandes cidades.

Um dos maiores atrativos fica por conta da paisagem: Localizada dentro de um parque nacional, Calgary é repleta de montanhas, cachoeiras, lagos e geleiras de tirar o fôlego.

E depois?


Depois de tudo isso, não é nenhuma surpresa dizer que grande parte dos intercambistas no Canadá, mesmo os que inicialmente pretendiam fazer apenas uma temporada de estudos, tenha interesse em se estabelecer no país. A Agência Canadense para a Educação Internacional fez um levantamento em 2018 com mais de 14 mil alunos:

Satisfacao Intercambistas

A segunda pergunta que devemos fazer é: Para quê? Segundo a mesma pesquisa feita pela Belta em 2019, o programa favorito pelos brasileiros no Canadá é o de aperfeiçoamento de línguas – e mantém essa posição há anos. Em segundo lugar vêm os programas de estudos e trabalho, e em terceiro, cursos de férias para adolescentes. 

A surpresa mesmo ficou por conta dos cursos de graduação, que passou de sexto lugar em 2017 para quarto em 2019, com um aumento de 37.7% em comparação. Para Laila Parada Worby, gerente da Crimson Education Brasil, empresa internacional de consultoria, esse crescimento leva em conta a preocupação dos brasileiros com o futuro de seu país. “O contexto político-econômico é muito mencionado por quem nos procura. Alguns pais e responsáveis acreditam que esses cortes (de verba pelo governo federal) vão prejudicar muito o ensino no País.”
Sobre a duração do intercâmbio, os programas mais curtos são a preferência:


Duracao Intercambio no Canada

A mesma pesquisa ainda constatou que 60% dos intercambistas são do sexo feminino, e a maioria viaja sozinha – Girl Power! 

E pra provar que não existe idade para ter experiências novas, o número de intercambistas acima de 50 anos aumenta cerca de 20% ao ano, sejam eles culturais ou educacionais. Segundo Maura Leão, presidente da Belta, “Em 2017 já tínhamos chegado na marca de 30 milhões de idosos no Brasil. Esse número só cresceu e ele também é refletido no setor de estudos no exterior. Afinal, esse público tem a tendência de já estar mais estável financeiramente e por isso podem fazer a tão sonhada viagem com intercâmbio que sempre quiseram fazer”.

E como fazer intercâmbio para o Canadá? Segundo a pesquisa, embora a maioria comece a pesquisar sobre programas e agências de forma online, a grande maioria (67%) fecham  pacote em uma loja física – isso significa que o fator segurança e atendimento pessoal ainda faz toda a diferença para o estudante e responsáveis.

———

Seja qual for sua idade, programa escolhido, gênero ou preferência – a Canucks está aqui para te apoiar durante todo o seu intercâmbio – desde a escolha do curso, aplicação de visto até sua estadia no Canadá! Entre em contato agora mesmo e torne o seu sonho realidade.
0

Dicas Canadá
Você está para finalizar seu período de estudos no Canadá, mas gostou tanto daqui que quer ficar por mais tempo? Nós entendemos completamente – e por isso mesmo trouxemos algumas informações sobre o PGWP. Você conhece esse tipo de permissão? Confira se você é elegível, como aplicar, e muito mais.

O que é PGWP?


PGWP significa Post Graduation Work Permit, e nada mais é do que uma permissão de trabalho de 8 meses a 3 anos (dependendo da duração dos seus estudos), para estudantes internacionais após a conclusão do curso. É uma ótima oportunidade para se colocar em sua área em um período integral, além da oportunidade de permanecer no país e dar continuidade à sua experiência canadense.

Mas calma, antes de fazer seus planos, saiba que há regras e requisitos a serem cumpridos – explicaremos tudo a seguir.

Quem pode aplicar?


Não são todos os cursos e faculdades que dão direito ao PGWP – existe uma série de requisitos. 

Para poder fazer a aplicação para o Post Graduation Work Permit, você deverá ter concluído um curso com as seguintes características:

– Full time.
– Mínimo de oito meses de duração.
– Faculdade pública, ou privada com fundos públicos (em nível de degree ou masters).
– A faculdade deve estar na lista de Designated Learning Institution (DLI). Você pode checar essa lista no site oficial do governo canadense.

Você NÃO é elegível ao PGWP se:

– Já recebeu um PGWP anteriormente.
– Ter realizado a maior parte do seu curso à distância.
– Se o seu curso foi de aprimoramento de língua estrangeira (inglês ou francês).
– A sua permissão de estudos não for mais válida.

Quando aplicar?


O prazo de aplicação é de até 180 dias contados a partir da data do recebimento da sua carta de conclusão ou transcript – mas você pode pedir o PGWP assim que receber o certificado de conclusão da sua instituição de ensino.

Posso continuar trabalhando depois que termino meu curso, mesmo ainda não tendo o certificado de conclusão?

Trabalhando no PGWP

Enquanto a sua permissão de estudos for válida, você ainda terá direito de trabalhar as suas 20 horas por semana – e apenas isso – nada de ultrapassar esse limite!

Após o recebimento do seu certificado de conclusão, o direito a trabalhar é automaticamente suspenso. Porém, assim que você solicitar o seu Post Graduation Work Permit, você se estará no chamado implied status (permissão do governo para que o indivíduo mantenha seu status legal no Canadá enquanto a decisão da aplicação de extensão/mudança de vista está sendo processada), e aí sim, poderá trabalhar full time, ou seja, 40 horas por semana.

Por quanto tempo ele é válido?


A validade do PGWP depende da duração do seu curso: Se ele for de 8 meses a um ano, o PGWP será equivalente ao seu tempo de estudos. Agora, se o seu curso foi de 2 anos ou mais, o seu Post Graduation Work Permit terá uma duração de 3 anos (tempo máximo de validade).

Contudo, é importante notar que a decisão final sobre a aplicação e a validade do seu PGWP,  fica inteiramente na responsabilidade do oficial de imigração avaliando o seu caso.

Se eu for casado/a, meu cônjuge também tem alguns direitos?


PGWP e Conjuge

O cônjuge (casado ou em união estável por mais de um ano) poderá solicitar a extensão somente se o estudante (aplicante do PGWP), no momento da aplicação, tiver uma proposta de trabalho que se encaixe dentro dos NOCs de categoria 0, A ou B (para saber mais sobre NOCs e suas categorias, você pode checar nosso vídeo no canal do youtube da e-Visa). Atenção: não estamos falando de uma empresa que patrocine o estudante ou um processo que envolva um LMIA (Labour Market Impact Assessment) , mas somente uma prova de contrato. O aplicante ainda precisará apresentar 03 pay stubs (contra cheques) como comprovação.

Na falta deste contrato, as opções do cônjuge se limitam a: matricular-se em uma instituição de ensino e continuar sua estadia como estudante, ou ficar apenas com o status de visitante.

Contudo, se o solicitante do PGWP posteriormente receber uma oferta de trabalho, o cônjuge poderá, então, aplicar para o visto de trabalho.

Quanto tempo demora para sair? Quanto custa?


Segundo o site oficial do governo canadense, o tempo de processamento 

é de 120 dias (informação coletada em outubro de 2019). O site é atualizado constantemente, mas é importante notar que ele pode variar de caso a caso.

Quanto ao custo, atualmente o valor da taxa para aplicação do PGWP é de CAD $255.00.

Quantas vezes eu posso aplicar?


Você só pode aplicar para o PGWP uma vez na vida – Por isso, se você pretende trabalhar em tempo integral ou até imigrar para o Canadá, sugerimos que você complete um curso de pelo menos dois anos, para que assim, tenha mais tempo com uma permissão de trabalho para adquirir sua experiência canadense. 

E a vida após o Post Graduation Work Permit?


Imigrar Canadá

Sabemos que o preço para estudar em um College no Canadá não é pouco – e o período do PGWP é uma ótima oportunidade para recuperar um pouco desse investimento. Contudo, se você pretende ficar no Canadá após seu período de trabalho com o PGWP, é bom começar a se planejar desde cedo!

Se você pretende apenas continuar apenas com seu visto de trabalho, a sua opção é o visto de trabalho com patrocínio através do processo chamado LMIA (Labor Market Impact Assessment). Contudo, mantenha em mente que esse é um processo arriscado, visto que é feito pelo empregador e é necessário comprovar que não há candidatos canadenses que atendam aos requisitos daquela vaga. Se você quer saber mais, assista o vídeo dos nossos parceiros e-Visa Immigration Services sobre o LMIA no Youtube.

Agora, se você é cidadão brasileiro e já está decidido a imigrar para o Canadá de vez, agende uma consulta com os nossos parceiros da e-Visa Immigration Services, e eles te ajudarão na aplicação para a residência permanente através do CEC (Canadian Experience Class. Para qualificar para esse programa, é necessário:

Pelo menos um 1 de experiência de trabalho no Canadá nos últimos 3 anos. (em NOCs 0, A ou B – para saber mais sobre NOCs, visite o canal no Youtube dos nossos parceiros da e-Visa Immigration Services).
Atingir o nível de conhecimento de idioma necessário para o seu trabalho através de uma das provas oficiais. (CELPIP General Test ou IELTS General Training para inglês; TEF ou TCF para francês).

———-

Seja para ficar um tempo ou morar no Canadá, a Canucks está aqui para te auxiliar durante todo o processo. Com a nossa parceria com a e-Visa Immigration, estaremos do seu lado desde a escolha de curso e instituição certa para você até a conquista do visto de trabalho e a tão sonhada residência permanente! Entre em contato agora e agende uma consulta com um de nossos especialistas em intercâmbio, vistos e imigração.
0

Dicas Canadá

Você acabou de chegar e quer conhecer tudo! A vontade de pegar um carro e sair dirigindo pelo Canadá é grande, mas espere um pouco: existem regras e cuidados a serem tomados. Não se preocupe, estamos aqui para tirar suas dúvidas sobre dirigir no Canadá.

Um aspecto que você deve sempre manter em mente é a questão das províncias canadenses. Aqui, cada uma tem uma certa independência, ou seja, as regras para dirigir em Vancouver podem ser totalmente diferente do que as regras para dirigir em Toronto.


Preciso de carteira de motorista internacional ou posso utilizar a habilitação do Brasil?

Carteira de Habilitação Brasileira

A resposta é: Depende.

Está apenas visitando o Canadá? Então sim, com o visto de turista (ou eTA) você pode dirigir sem problemas por até 6 meses.
Vai ficar por aqui por mais de 3 meses, com outro tipo de permit? Aí você tem que ficar ligado em algumas regrinhas. E essas regras variam de acordo com a província.
Em British Columbia, com work permit, você pode dirigir até 90 dias com a sua carteira de motorista do seu país de origem, contados a partir do momento da sua chegada no Canadá. Após esse período, é preciso ter uma habilitação emitida pela província.

Ah! Mas você fechou um pacote de estudos superior com a Canucks? Então temos boas notícias! Em British Columbia, se você está estudando em uma dessas faculdades reconhecidas pelo Governo Canadense, você pode dirigir com a sua habilitação nacional durante o período do seu curso. Mas atenção: Sempre que for pegar a estrada, tenha em mãos sua habilitação traduzida oficialmente e sua carteirinha de estudante!

Já na província de Ontario, as regras são um pouco diferentes – o período que você pode dirigir com a sua carteira de motorista original com work permit é de apenas 60 dias – depois, você precisa de uma licença da província ou a Carteira de Habilitação Internacional para Dirigir (PID). Atenção: se você quiser ter uma PID, deverá solicitar no seu país de origem, antes de chegar em Ontario – ela não pode ser feita na província.

 

Posso tirar a carteira de motorista canadense?

Pode sim! Mas as regras variam de acordo com a província, então sempre preste atenção!


Em British Columbia,

Você deve se direcionar até uma das várias agências da ICBC com os seguintes documentos:
       – 2 tipos de identificação oficial, como sua work ou study permit e seu passaporte. Ou sua identidade brasileira (cnh ou rg) e seu passaporte. Desde que pelo menos uma delas possua uma foto e as duas sejam originais e oficiais.
       – Sua habilitação atual original.
       – Seu histórico de Habilitação – você consegue obtê-lo no site do Detran, na seção “Consulta de Pontos”. Contudo, para ser aceito pela ICBC, você também precisa de uma tradução juramentada desse documento.

Atenção: a sua Carteira Nacional de Habilitação fica retida na agência durante o seu processo.


Em Ontario:
Você deve ir até um DriveTest Centre e levar, além da habilitação original, um documento que contenha:
       – Seu nome legal
       – Data de Nascimento
       – Assinatura

Diferente do Brasil, você não é obrigado a ter aulas teóricas e práticas para emitir sua carteira de motorista canadense, mas você tem que saber o suficiente para passas nas provas, né? 😉

E assim que você passa na prova teórica você já pode dirigir – se você tiver alguém habilitado no carro junto com você.


E quanto custa?


Em British Columbia,

  • A habitação em si custa em torno de $31,00 dólares canadenses, e esse valor é pago somente uma vez.
  • O knowledge test (prova teórica) tem o valor de CAD $15,00 – Você paga esse valor a cada vez que for fazer a prova, isso é, se passar de primeira, só paga uma vez 😉
  • Já o road test (prova prática) é em torno de CAD $50,00, e assim como o knowledge test, você paga a cada vez que precisar fazer o exame.
  • Por fim, o exame médico, com o custo de CAD $28,00.

Assim, se você passar em todos os testes na primeira tentativa, em British Columbia, o custo da habilitação será em torno de CAD $124,00.


Em Ontario,
é um pouco diferente de BC – ao invés de pagar a cada etapa do processo, você paga por “pacote”- parecido com o processo no Brasil. Para aqueles que tem mais de 2 anos de habilitação, o gasto é:
  • Habilitação + Knowledge test (prova teórica) custa cerca de $106,00 dólares canadenses
  • G2 Road Test (prova prática equivalente à categoria B no Brasil) tem o valor de aproximadamente CAD $54,00.

Portanto, em Ontario, a carteira de habilitação custa em torno de CAD $160,00.


Qual a idade mínima para dirigir no Canadá?

Crianca e carro


Adivinhem? Depende da província!

A maioridade no Canadá é de 19 anos, mas em British Columbia e Ontario, você pode aplicar para o processo a partir de 16 anos, se tiver a autorização dos pais ou de um guardião legal.


E as regras de trânsito? São diferentes das do Brasil?

Em sua maioria, sim! Nada de virar sem dar seta!

Mas existem sim algumas diferenças: Por exemplo, conversões à esquerda no farol vermelho ou faixa dupla são permitidas – a não ser quando há uma sinalização ou placa de trânsito indicando o contrário – Lógico que com muito cuidado!
Se você estiver no aguardando para fazer uma conversão e o farol ficar amarelo ou vermelho, não se desespere, você pode terminar sua manobra independente do farol.

Limites de velocidade:

É aqui que os desavisados podem ter problemas.
Aqui também existem câmeras de radar, mas nem todo lugar vai ter placa com indicação do limite de velocidade da pista.
Quer evitar uma multa? Então memorize os limites padrão – a não ser que exista uma placa indicando outro valor, são esses que você deve seguir:
       – Zonas Urbanas: 50 km /h
       – Rodovias secundárias: 80 km /h
       – Auto-estradas: 100 km/h


Ok, mas e se por acaso eu levar uma multa? Como funciona?


Aqui, igual ao Brasil, existe um sistema de pontos: dependendo do tipo de multa, você acumula um certo número de pontos na sua carteira de habilitação canadense. Em Ontario, com mais de 15 pontos, você corre o risco de ter sua carteira de motorista suspensa por 30 dias.

Em British Columbia, contudo, não há um número “máximo” de pontos – a cada 12 meses você é avaliado pelo governo, e quando mais alta a sua pontuação, maior a taxa do Driver Penalty Premium você deve pagar. Você pode ter a carta de motorista suspensa ou revogada se levar alguma multa considerada criminal. 


Socorro, o que são esses símbolos? As placas são diferentes?

Embora os sinais e as placas de trânsito sejam bem parecidas com as do Brasil, ou um tanto quanto intuitivas – algumas podem parecer estranhas para nós – por acaso já viu avisos de snowmobile nas estradas brasileiras?
Seguem alguns exemplos para te ajudar em suas viagens (Você pode acessar o guia completo de Ontario e British Columbia)

Road Signs Canada


E o Sistema CarShare? O que é?



Se você precisar se deslocar de carro dentro da cidade, você não precisa ir até uma locadora oficial de veículos – aqui o sistema CarShare é muito popular. Conhece? Não?

É um esquema de carros compartilhados. Os mais famosos até o momento são: Evo e Car2Go.

Como funciona: Há vários carros disponíveis e espalhados pela cidade. Você baixa o aplicativo, se cadastra (seu perfil será avaliado e sujeito à aprovação) e escolhe o veículo mais próximo de você (ou qualquer outro, a decisão é sua 😉 ). Aí é só entrar, dar a partida e dirigir até seu destino, estacionar o carro e seguir com a sua vida. (Os lugares permitidos para estacionar variam de acordo com o aplicativo escolhido, é importante checar as regras! O Evo por exemplo, permite a parada em lugares com parquímetro, já o Car2Go, não).


Mas e a gasolina?

No aplicativo, você consegue visualizar o nível do tanque de combustível atual do carro – mas, caso você precise reabastecer, eles te reembolsam!


Ok, mas vale a pena o custo?

Logicamente, depende do aplicativo, do tipo de carro que escolher e o quanto você utilizar o serviço.
A cobrança é feito por minuto, hora, ou dia. *
  • Por minuto: cerca de CAD $0.40 – $0.50
  • Por hora: cerca de CAD $14.00 – $19.00
  • Por dia: cerda de CAD $89.00 – $130.00


*Esses valores são apenas uma base e pode ter variações.


Legal! Mas eu posso dirigir?

As regras para o uso desse serviço são as mesmas de dirigir no Canadá – ter uma habilitação oficial canadense ou uma carta de motorista traduzida oficialmente – aí, você poderá enviar seus dados para o serviço CarShare que escolher, e então, caso for aprovado, só pegar o volante!


Eu quero ir mais longe. O que eu preciso para alugar um carro?

Car on Road


Não vai ficar apenas pela cidade? Prefere alugar um carro com uma locadora? Não tem problema! Inclusive, se você tiver algum tipo de restrição que te impeça de usufruir das outras formas de locomoção por aqui, esse pode ser o método mais fácil.
A maioria das agências de locação aqui não exigem a sua carteira de habilitação traduzida – basta ter mais de 21 anos de idade, a sua carteira original e seu passaporte.

Aonde eu faço a reserva?

Existem várias locadoras pelo país – a certa para você depende do local de visita, do tempo que pretende ficar com o automóvel, o tamanho, e sua preferência! Mas temos 2 dicas simples para você
Quanto antes, melhor! Os preços costumam ficar mais altos quanto mais próximo da data de reserva.
Site amigo: Aqui você faz sua busca e ele te dá várias agências de locação de carros e comparação de preços que compreendem suas preferências!

E se eu passar em um pedágio, como eu pago?

Nada de contar moedinhas, as estradas daqui contam com um sistema eletrônico de reconhecimento de placas – a cobrança é feita de forma automática!

E então, preparado para pegar a estrada no Canadá? Entre em contato conosco e podemos te ajudar nessa aventura 😉

0

Dicas Canadá

Dia 10 de Outubro foi comemorado o Dia Mundial da Saúde Mental – assunto tão importante mas ainda pouco comentado. E mudar de país pode ser maravilhoso, mas muito desafiador. Diversas vezes nos deparamos com novos hábitos, costumes e culturas que devemos tornar parte de nossas vidas – e essa transição pode nos afetar mais do que pensamos.

 

Para te ajudar nessa nova fase de sua vida no Canadá, nós, da Canucks Intercâmbio, junto com duas especialistas, a psicoterapeuta Paula Coutinho e a nutricionista Vanessa Montagner, juntamos 10 dicas para você manter uma sua mente saudável.


1. Se valorize!

Sabemos que a vida de um intercambista pode ser estressante – entre aulas, turismo, e por vezes, trabalho. Mas nossa mentalidade e as conversas que temos conosco são um dos aspectos mais importantes do nosso bem estar geral. Muitas vezes somos muito duros com nós mesmos, menosprezando nossas conquistas e até desistindo de oportunidades pois a voz interior insiste em dizer que não somos capazes ou bons o suficiente. Tais pensamentos podem ter uma força maior do que imagina. Lembre-se: Não diga para si o que não diria para seu melhor amigo!


2. Esteja Presente – e consciente



Muitas pessoas saem em busca da “felicidade” – e os estudos são claros: praticar a atenção plena, a meditação e mindfulness fazem com que você consiga prestar atenção no momento presente, controlar suas emoções, e afastar os pensamentos negativos – te conecta com você mesmo. Em teoria pode parecer simples, mas requer muita prática e insight. 

3. Se envolva com as pessoas certas

casal se apoiando

“Diga-me com quem andas e eu te direi quem és”

Esse antigo provérbio é famoso por um motivo. 

Todos nós somos feitos para conexões humanas. No entanto, todos sabemos que existem amigos que te ajudam a crescer, ficam felizes por suas conquistas, e fazem com que seja a versão melhor de si mesmo. Mas também há aquelas que fazem o contrário – sempre te colocando para baixo e te desmerecendo.

A psicoterapeuta Paula Coutinho deixa a dica: Dê uma olhada nas pessoas à sua volta e se pergunte se elas contribuem para o seu crescimento, ou impedem você de atingir os seus objetivos.

4. Durma com os anjos

Novamente, sabemos que a vida nova em um país novo pode ser um pouco caótica – assim, o descanso é uma mercadoria escassa. Ele é o primeiro a ser jogado de lado quando outras prioridades surgem em nossas vidas, seja estudo, trabalho ou socialização. Mas seu corpo e sua mente precisam de energia para trabalhar em sua capacidade total e lidar com os estresses do dia a dia. Então vá lá, vista seu pijama mais confortável, apague as luzes e tire uma boa noite de sono!


5. Dormiu? Agora acorde e faça exercícios!


Sim, nós sabemos – você está cansado de saber dos benefícios da atividade física. Você conhece alguém que desconheça tais vantagens? Contudo, são poucos os que realmente criam uma rotina e hábitos regulares de exercícios. O lema aqui deve ser: Menos promessas e mais ações. 

Não estamos dizendo que você precisa correr uma maratona, ou fazer um Iron Man – As pesquisas recomendam que de 20 a 30 minutos por dia, 3 a 4 dias por semana já são suficientes para fazer proveito dos benefícios físicos e mentais da prática de atividades físicas.

Essa prática regular não faz bem apenas para seu coração e musculatura: também ajuda em uma ampla gama de problemas, desde estresse à ansiedade e depressão.

 

Chega de desculpas! Você não precisa pagar a mensalidade de uma academia chique ou um personal trainer caro – pegue um tênis e dê uma caminhada ao ar livre – aproveite para conhecer melhor a sua nova casa no Canadá 😉


6. Coma bem

alimentacao saudavel

Sobre a alimentação, a nutricionista Vanessa Montagner afirma “qualidade de vida começa de dentro para fora”. A profissional aconselha manter uma dieta equilibrada, rica em fibras, proteínas e vitaminas, evitando alimentos processados e industrializados. E durante esses meses de inverno no Canadá, como não temos muito sol, a tendência é ficarmos com níveis baixos de Vitamina D, sendo recomendada a suplementação. A deficiência dessa vitamina pode causar baixa imunidade, depressão, alergia, entre outros – então, atenção redobrada!


7. Ajude o próximo

Não é egoísmo – ajudar outras pessoas vai te fazer se sentir melhor consigo mesmo. Faça algum tipo de voluntariado, ajude aquela senhora a atravessar a rua – faz bem para todos os envolvidos!


8. Evite álcool e outras drogas

Quando sua saúde mental está debilitada, é tentador recorrer à substâncias químicas em busca de uma solução. Mas lembre-se: essas soluções, esse alívio será apenas temporário – e depois que o efeito passar, pode ser ainda pior para seu bem-estar.


9. Ache seu jeito de lidar com o estresse


Perceba que é o SEU jeito de lidar com o estresse, não UM jeito. Cada pessoa é uma pessoa – uns podem relaxar desenhando um quadro, outros com uma caminhada, ou um longo banho de banheira. Ache o que dá certo para você e insira em sua rotina.


10. Construa planos para seus objetivos

Ter um objetivo é sempre bom, mas é fácil de decepcionar se você prestar atenção somente no resultado final. Traça um plano: o que você pretende e PODE fazer para tornar esse objetivo realidade? Escreva (isso mesmo, pegue um papel e uma caneta) cada etapa do processo, e dê um passo de cada vez – cada etapa vencida é uma vitória!



BÔNUS: O mais importante – Não tenha vergonha de pedir ajuda!

Se você sentir que precisa de algum profissional para te auxiliar a melhorar sua saúde mental, saiba que pedir ajuda não é sinal de fraqueza, e sim de força! 


Paula Coutinho é psicoterapeuta formada com mestrado em Vancouver e registrada na British Columbia Association for Clinical Counselor (BCACC). Ela trabalha nos setores público e privado como terapeuta infantil e familiar. Confira o site dela @ www.psychotherapistroom.ca


Vanessa Montagner é nutricionista consultora, especializada em low carb diet atuando em Vancouver, BC. Para mais informações entre em contato  contact.vanessamontagner@gmail.com

0